Envelhecimento e Osteoporose

Mayara Rodrigues C. Fabris

Fisioterapeuta

 

Atividade de fisioterapia

O tecido ósseo como os outros tecidos e órgãos do corpo acompanham nosso envelhecimento. Os ossos estão em constante processo de remodelação, ou seja, de formação e reabsorção. Até as duas primeiras décadas da nossa vida estamos mais em processo de formação. Em relação a reabsorção, acredita-se inclusive que o auge de formação óssea ocorre por volta dos 25 aos 30 anos de idade e após isso, entramos num processo de perda gradativa da massa óssea.

Para sabermos como está a saúde dos nossos ossos é realizado um exame denominado Densitometria Óssea, que tem grande exatidão e precisão no seu resultado. Neste exame é mensurado a massa óssea dos ossos da coluna (vertebras geralmente as lombares) e do osso da coxa (o Fêmur).  Sabe-se que com o envelhecimento realmente ocorre uma perda fisiológica de massa óssea. Porém quando esta perda se torna um pouco mais acentuada denomina-se de Osteopenia, que em muitos casos pode ser de fácil de reversão quando tratada desde o início. Quando a perda é mais grave ela passa a ser chamada de Osteoporose, patologia muito comum entre os idosos e que deve ser tratada com seriedade.

Segundo a Organização mundial da Saúde (OMS), existem no Brasil atualmente cerca de 10 milhões de pessoas com osteoporose. Um terço das mulheres brancas acima de 65 anos de idade tem o diagnóstico de osteoporose e oito em cada 10 mulheres nunca imaginaram ter esta doença Dentre seus fatores de risco pode-se citar:

– idade superior a 75 anos para ambos os sexos;

– maior incidência em mulheres;

– raça asiática e/ou caucasiana;

– Menopausa precoce não tratada e também a própria menopausa (por conta da queda dos hormônios sexuais);

– baixo peso com índice de massa corpórea menor que 19 Kg/m²;

– tabagismo;

– etilismo;

– Sedentarismo;

– imobilização prolongada;

– dieta pobre em cálcio;

– Deficiência de Vitamina D;

– uso de alguns medicamentos principalmente os corticoides.

A Osteoporose traz consigo um grande risco de fraturas e quedas, o que pode ser um grande problema para essa faixa etária. O seu tratamento incluem medidas farmacológicas e não farmacológicas. Em especial ao não farmacológico podem servir também de atitudes de prevenção da doença, dentre elas podemos citar:

– Dieta rica em cálcio (encontrado nos derivados de leite, verduras verdes escuras, ovos, feijão);

– Banho de sol pela manhã (muito importante para sintetização da vitamina D pelo nosso corpo)

– Atividade Física (Caminhada e exercícios resistidos)

– Hábitos de vida saudáveis.

 

Referencias

Dias JMD. Tratamento dos Distúrbios Osteoarticulares no Idoso. In: PERRACINI MR; FLÓ CM. Funcionalidade e Envelhecimento. 1ed, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

Pereira SRM; Mendonça LMC. Osteoporose e Osteomalácia. In: FREITAS EV; PY L. Tratado de Geriatria e Gerontologia. 3ed, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

Santos FC; Abreu RCG; Dib TAA. Osteoporose e Prevenção de Fraturas. In: RAMOS LR; CENDOROGLO MS. Guia de Geriatria e Gerontologia. 2ed, Barueri: Manole, 2011.

 

 

Dança Sênior, qualidade de vida e equilíbrio

Rosangela Satas

Nos dias de hoje fala-se muito na qualidade de vida na velhice e atividades que trazem equilíbrio não só físico, mas também emocional, nesse sentido, buscamos cada dia mais como envelhecer com saúde, alegria, equilíbrio e tranqüilidade e principalmente como manter a nossa saudável a nossa mente.

 

A Dança Sênior leva aos idosos condições para que se tenha a mente saudável e equilibrada, por meio dos movimentos das danças em pé e sentadas, além das músicas que também é um fator importante para manter o ânimo. O ritmo das músicas é alegre em sua maioria, há aquelas em que possuem um ritmo mais lento em que se trabalha a coordenação e atenção, para dançar em roda, dupla ou sentada, proporcionando uma maior interação grupal. Em relação aos seus movimentos, a Dança Sênior trabalha também o equilíbrio, estimulando a lateralidade e atenção, quando a música solicita a troca de parceiro e de lugares na roda.

Cabe salientar que os benefícios da Dança Sênior são inúmeros, podemos citar: vitalidade, alegria, auto-estima elevada, segurança, autonomia e a redução de sentimentos como a tristeza e a solidão.

Nesse sentido, é importante a divulgação da Dança Sênior aos idosos, pois aqueles que são participantes assíduos em grupos verbalizaram que “a dança acrescentou vida aos seus dias“, então, venha participar você também, e traga o seu idoso!

O trabalho da dança sênior no Centro-dia

Dança Sênior

Dança Sênior

Rosângela Satas

 A atividade física é importante em qualquer etapa da vida, sendo que para cada uma delas existe uma prática corporal diferenciada, buscando os objetivos distintos. A dança é uma prática corporal que proporciona ao idoso uma experiência física, emocional, lúdica, social e expressiva, proporcionando a melhoria da qualidade de vida.

   A dança sênior foi criada pela alemã Ilse Tut. No Brasil foi introduzida por Christel Weber, em 1978, e implantado em 1982 no Ancianato Bethesda no Rio de Janeiro por Regina Krauser. Ela reúne passos curtos, leves, um pouco mais lentos e que podem se aprendidos facilmente, inclusive por aqueles que não possuem nenhum tipo de experiência nesta modalidade.

  Consiste em movimentos ritmados para pessoas que apresentam limitações temporárias ou permanentes. Com suas formas simples e músicas alegres, busca a autoestima e a integração de seus participantes, estimulando-os a participar mais da convivência com colegas de grupos em também o objetivo de prevenção e manutenção das atividades do dia a dia, melhorando não só a saúde física como também a mental, trabalha a coordenação motora, melhorando os movimentos do corpo.

 Passos e movimentos marcados, músicas alegres, integração com amigos, novas amizades, fazem da Dança Sênior uma modalidade que cresce cada dia mais tornando as pessoas felizes, com um corpo e mente saudáveis.

  Cada vez mais essa modalidade tem ganhado espaço no Brasil, pois trata-se de uma estratégia que previne a inatividade e promove a inclusão para os idosos.

    Em espaços como Centros-dia é importante a observação sensível do Profissional habilitado a trabalhar com a dança sênior já que deverá ser adaptada de acordo com as necessidades apresentadas pelo grupo, em especial ao público com dependência física e/ou cognitiva de leve a moderada, e a criatividade nesse sentido é essencial para trazer o idoso para a roda e mostrar suas potencialidades, dentro de suas limitações.

Referência Bibliográfica:

OLIVEIRA, F. F. ; TEIXEIRA, S. C. O. Dança Sênior: Atividade física e Qualidade de Vida na UNISUAM. Coleção Pesquisa em Educação Física. Vol. 9, n. 3, 2010, pp. 87-92. Disponível em: <http://www.fontouraeditora.com.br/periodico/vol-9/Vol9n3-2010/Vol9n3-2010-pag 87a92/Vol9n3-2010-pag-87a92.pdf. >. Acesso em: Setembro/2016.

 

Gripe H1N1 – Um alerta

A gripe H1N1 é uma doença causada por uma mutação do vírus da gripe. A transmissão e os sintomas são bem parecidos com a gripe comum, a transmissão acontece através de secreções respiratórias, como gotículas de saliva, tosse ou espirro e os sintomas são bem parecidos com a gripe comum. Os sintomas são febre alta, tosse, dor de cabeça e muscular, dor de garganta, falta de ar, congestão nasal, coriza, diarreia, náuseas e vômitos.

No Brasil o período crítico vai de maio a agosto, o atual surto que acomete São Paulo e outros estados é inédito. Não há registro anterior de um aumento tão significativo de casos entre fevereiro e março, ou seja, em pleno verão. Conforme dados do Ministério da Saúde foram registrados 2.375 casos por influenza A (H1N1), sendo 470 óbitos, com registro de um caso importado (o vírus foi contraído em outro país). Os dados constam no Boletim Epidemiológico de Influenza do Ministério da Saúde.

A Região Sudeste concentra o maior número de casos (1.381) influenza A H1N1, sendo 1.209 no estado de São Paulo. Outros estados que registraram casos neste ano foram Rio Grande do Sul (198); Paraná (165); Goiás (153); Santa Catarina (102); Pará (101); Rio de Janeiro (70); Bahia (67); Distrito Federal (63); Minas Gerais (52); Paraíba (12); Alagoas (12); Rio Grande do Norte (11); Mato Grosso (7); Amapá (2); Rondônia (1); Roraima (1); Maranhão (1); Piauí (1) e Sergipe (1).

Com relação ao número de óbitos, São Paulo registrou 223, seguido por Rio Grande do Sul (39); Goiás (26); Paraná (24); Rio de Janeiro (23); Santa Catarina (21); Pará (16); Bahia (15); Minas Gerais (14); Espírito Santo (14); Pernambuco (10); Mato Grosso do Sul (9); Paraíba (8); Ceará(6); Distrito Federal (6); Rio Grande do Norte (5); Mato Grosso (4); Alagoas (2); Amapá (2) e Maranhão (1). O cenário preocupante obrigou o governo do estado e a prefeitura a adotar medidas emergenciais como a antecipação da campanha de vacinação.

Como podemos prevenir:

  • Evite manter contato muito próximo com uma pessoa que esteja infectada
  • Lave sempre as mãos com água e sabão e evite levar as mãos ao rosto e, principalmente, à boca
  • Leve sempre um frasco com álcool-gel para garantir que as mãos sempre estejam esterilizadas
  • Mantenha hábitos saudáveis. Alimente-se bem e coma bastante verduras e frutas. Beba bastante água
  • Não compartilhe utensílios de uso pessoal, como toalhas, copos, talheres e travesseiros
  • Evite frequentar locais fechados ou com muitas pessoas
  • Verifique com um médico se há necessidade de tomar a vacina que já está disponível contra a gripe H1N1.

A vacinação normalmente é oferecida na rede pública para pessoas dentro dos grupos de risco, ou seja:

  • Crianças entre 6 meses e 5 anos
  • Idosos acima de 60 anos
  • Gestantes
  • Portadores de doenças crônicas.

No Centro-dia Angels4U os idosos foram vacinados nos dias 14 de abril e 05 de maio de 2016, conseguimos atingir 100% dos idosos atendidos no Centro-dia.

Vacinação contra gripe H1N1 na Angels4u

Vacinação contra gripe H1N1 na Angels4u

Fontes: