Cair não é normal!

Fisioterapeuta Mayara Rodrigues Fabris

Atividade de fisioterapia no Centro-dia Angels4u

Quando o assunto é envelhecimentos muitos questionamentos rodam os pensamentos dos indivíduos, em especial para quem convive com um idoso em certo momento uma fatalidade ou questão será levantada: QUEDAS. Este tema muito discutido entre os estudiosos da geriatria e gerontologia merece atenção, uma vez que, muitos idosos podem sofrer sérias injúrias e até mesmo ir a óbito devido a uma queda.

As causas de um evento como queda são inúmeros, e podem ser classificados em:

CAUSAS INTRÍNSECAS: Relacionadas com o que é interno ao corpo. Por exemplo: as alterações normais ao envelhecimento, doenças, déficits visuais e até mesmo o uso de alguns medicamentos.

CAUSAS EXTRÍNSECAS: Relacionadas ao ambiente. O uso de tapetes, móveis, pisos escorregadios, degraus, deambular em ambientes com pouco luminosidades, sapatos e roupas inadequados entre outros.

Alguns estudos apontam que o ambiente domiciliar é o mais susceptível as quedas. O banheiro por exemplo se mostrou o mais perigoso da casa. Outro fato curioso é que o ambiente no qual mais nos sentimos seguros pode ser o mais perigoso, uma vez que nós expomos mais ao risco, pensando em estarmos mais seguros.

Contudo após o evento (queda) nota-se grande perda da funcionalidade de quem é vítima, como: redução importante da mobilidade seja por medo ou até mesmo superproteção de quem está mais próximo deste idoso. O medo de cair novamente é uma das principais causas do aumento da imobilidade, seguido por injúrias causadas pela queda, como fraturas, escoriações e traumas mais importantes no corpo físico e mental.

A importância de abordar este tema se dá na grande proporção que uma queda pode gerar para o indivíduo e seus conjugues e/ou familiares. O medo de cair novamente pode implicar em grande isolamento social, uma vez que, um indivíduo que se via seguro para deambular em sua casa e fora dela, se vê frágil e com possibilidades de um novo evento acontecer.

Algumas atitudes podem ser decisivas para a prevenção de quedas e suas desagradáveis consequências. Vamos á algumas dicas:

– Verificar se realmente a necessidade de tapetes pela casa, móveis como mesas de centro que podem ficar bem no meio do caminho;

– Uso de pisos ou tapetes antiderrapantes no banheiro, uma vez que o piso molhado durante o banho trona-se um grande vilão;

– Luzes de emergência e de sinalização, pois ambientes com pouca luminosidade principalmente durante a noite é realmente um perigo.

– Uso de medicamentos que podem interferir no equilíbrio. Converse com o médico, pois alguns deles não podem ser deixados de tomar, mas se houver o risco deve-se redobrar a atenção,

– Queixas de tonturas, fraqueza nas pernas e falta de sensibilidade na planta dos pés certamente poderão ser causas de quedas em qualquer que seja o ambiente, portanto procurar o médico e qualquer que seja outro profissional da área é muito importante.

– Usar sapatos adequados e de preferência que segurem todo o pé. Chinelos de dedo e tamancos por exemplo são perigosos; deem preferências para sapatos com o solado emborrachado e que seja antiaderente.

– Nunca em hipótese alguma subir em banquinhos e escadinhas para pegar coisas que estão no alto! O que for usado no dia a dia deve estar a mão e mais fácil para ser pego;

– Praticar exercícios regularmente e até mesmo um treino focado para reabilitação ou manutenção do equilíbrio é uma ótima maneira de se prevenir uma queda. Procurar um profissional qualificado para tal também faz toda a diferença, uma vez que poderemos identificar onde está o maior déficit e em alguns caso indicar uso de bengalas ou andadores.

Cair não é normal em nenhuma idade e muito menos para quem é mais maduro. Cair de maduro é só para frutas.

 

Referência Bibliográfica:

GOMES ARL; CAMPOS MS; MENDES MRP; MOUSSA L. A influência da fisioterapia, com exercícios de equilíbrio, na prevenção de quedas em idosos.Revista FisiSenectus. Ano 4, n. 1 – Jan/Jun. 2016.

SANTOS JS; VALENTE JM; CARVALHO MA; GALVÃO KM; KASSE CA.Identificação dos fatores de riscos de quedas em idosos e sua prevenção. Revista Equilíbrio Corporal e Saúde, 2013; 5(2):53-59

Acessibilidade para todos

Andreza Ferriello CAU A33.109-0

A condição de alcance, percepção e entendimento para utilização com segurança e autonomia dos espaços, equipamentos e mobiliário urbanos, dos transportes, das edificações e meios de comunicação traduzem o termo acessibilidade.

Mas a quem se destina a acessibilidade?

Uma pessoa portadora de deficiência física ou com mobilidade reduzida, mesmo que seja uma situação temporária, bem como as pessoas idosas que, conforme a Lei nº 10.741 de 2003 – Estatuto do Idoso, define como idosos as pessoas com mais de 60 anos, necessitam do direito de igualdade e respeito proporcionado pela acessibilidade.

Assim como na formação das cidades e espaços, os arquitetos e urbanistas exercem uma função social assegurando que exista a acessibilidade para todos.

Trata-se da arquitetura inclusiva que respeita e planeja a acessibilidade para que se cumpra o disposto no Decreto Federal nº 5.296 de 2004 e normatizado pela ABNT NBR 9050, prevendo entradas acessíveis por meio de rampas ou equipamentos mecânicos tais como elevadores ou plataformas, sanitários acessíveis com tamanhos, disposição de peças, barras de apoio e dispositivos de segurança, vagas de estacionamento reservadas com tamanho adequado e localização estratégica, sinalização que oriente e proteja portadores de deficiência visual, sinalização em geral, pavimentação, largura e desníveis de passeios públicos e acessibilidade em espaços privados.

As pessoas preparam a casa para a chegada do bebê, da mesma maneira deve-se pensar em preparar a casa para a chegada do idoso ou para a chegada à melhor idade. Prever espaços seguros e ao mesmo tempo acolhedores trará benefícios aos seus moradores bem como aos seus familiares. Piso antiderrapante, barras de apoio, corrimão e rampas são algumas das adaptações que podem ser feitas e que seguramente trarão segurança e liberdade aos idosos desse espaço.

Piso antiderrapante (Fonte: Pinterest)

Piso antiderrapante (Fonte: Pinterest)

Barras de apoio

Barras de apoio

Rampa

Rampa

Respeitar, acima de tudo, é reconhecer que todos têm o mesmo direito. As pessoas idosas ou com necessidades especiais enfrentam muitas barreiras, e por isso a importância que a acessibilidade seja tratada em toda a sua complexidade, abrangendo o ambiente físico, transporte, informação, comunicação e serviços. Esse já é um ótimo começo.