Artesanato com idosos e a reutilização de vasos plásticos

Professora Simone Bergamo

Reduzir, Reutilizar e Reciclar

Trabalhar com a reutilização de materiais recicláveis e principalmente aqueles que utilizam plástico em sua fórmula como material principal é uma boa forma de ajudar o meio ambiente, pois o plástico é muito danoso ao meio ambiente, normalmente se leva de 100 a 400 anos para que o plástico seja totalmente deteriorado, então a melhor forma de pensar em sustentabilidade é pensar em reciclagem.

Como reutilizar um vaso plástico (de mudas)

(aquele vaso preto de plástico que vem com mudas de plantas, no exemplo vamos utilizar como cachepô)

Passo a passo:

  • Lavar e secar muito bem o vaso;
  • Passar duas demãos de Primer para metais, PET e vidro ou apenas uma mão de Pasta para Modelagem. Ambos são necessários para que a tinta possa aderir ao material. A diferença é que a pasta para modelagem fica em relevo formando uma textura;

Preparo do material

  • Aguardar secagem de 4 horas;
  • Pintar o vaso com tinta PVA ou tinta acrílica;
  • Após secagem da tinta podemos colar gravuras de papel por cima;
  • Após secagem finalizar com verniz brilhante ou fosco.

A seguir alguns trabalhos realizados pelos idosos

Trabalhos confeccionados pelos idosos

A importância do Cálcio e das Fibras na alimentação do idoso

Cila Omine -Nutricionista da Empresa Nutrico

                             CRN3 5440

Equipe da Empresa Nutrico

No dia 25/04, a Nutrico realizou uma Oficina de Culinária com a receita de Vitamina de frutas com aveia, abordamos a importância de consumir alimentos ricos em Cálcio como leite e iogurtes e as frutas e aveia que são fontes de fibras.

Oficina de Culinária

As Fibras devem fazer parte da alimentação do dia-a-dia dos idosos, nessa fase da vida, os idosos caminham menos, ingerem menos água por isso tendem a apresentar constipação intestinal.

As doses diárias recomendadas para mulheres idosas são de 21g/dia e para os homens, 30g/dia.

Em meia xícara de feijão cozido, encontramos 6g de fibras insolúveis, a maioria dos vegetais fornecem em média 2g de fibras nessa mesma medida e no farelo de trigo encontramos até 11g.

O Cálcio é um mineral  importante e abundante no nosso organismo, seu consumo  deve ser feito ao longo da vida pois a partir dos 35 anos a perda deste elemento é inevitável.

Muitas pessoas têm conhecimento sobre a Osteoporose, doença nos ossos que atinge 10 milhões de brasileiros, especialmente mulheres após a menopausa,  apesar disso  não consomem alimentos ricos em Cálcio em quantidade suficiente.

O Ministério da Saúde recomenda a ingestão de 1000 mg de Calcio por dia para um adulto e 1200 mg/ dia para mulheres a partir dos 50 anos (4 copos de leite/dia) e 1200mg para homens a partir dos 70 anos.

São fontes de Cálcio, leite e seus derivados, vegetais de cor verde escura, peixes como sardinha.

Cair não é normal!

Fisioterapeuta Mayara Rodrigues Fabris

Atividade de fisioterapia no Centro-dia Angels4u

Quando o assunto é envelhecimentos muitos questionamentos rodam os pensamentos dos indivíduos, em especial para quem convive com um idoso em certo momento uma fatalidade ou questão será levantada: QUEDAS. Este tema muito discutido entre os estudiosos da geriatria e gerontologia merece atenção, uma vez que, muitos idosos podem sofrer sérias injúrias e até mesmo ir a óbito devido a uma queda.

As causas de um evento como queda são inúmeros, e podem ser classificados em:

CAUSAS INTRÍNSECAS: Relacionadas com o que é interno ao corpo. Por exemplo: as alterações normais ao envelhecimento, doenças, déficits visuais e até mesmo o uso de alguns medicamentos.

CAUSAS EXTRÍNSECAS: Relacionadas ao ambiente. O uso de tapetes, móveis, pisos escorregadios, degraus, deambular em ambientes com pouco luminosidades, sapatos e roupas inadequados entre outros.

Alguns estudos apontam que o ambiente domiciliar é o mais susceptível as quedas. O banheiro por exemplo se mostrou o mais perigoso da casa. Outro fato curioso é que o ambiente no qual mais nos sentimos seguros pode ser o mais perigoso, uma vez que nós expomos mais ao risco, pensando em estarmos mais seguros.

Contudo após o evento (queda) nota-se grande perda da funcionalidade de quem é vítima, como: redução importante da mobilidade seja por medo ou até mesmo superproteção de quem está mais próximo deste idoso. O medo de cair novamente é uma das principais causas do aumento da imobilidade, seguido por injúrias causadas pela queda, como fraturas, escoriações e traumas mais importantes no corpo físico e mental.

A importância de abordar este tema se dá na grande proporção que uma queda pode gerar para o indivíduo e seus conjugues e/ou familiares. O medo de cair novamente pode implicar em grande isolamento social, uma vez que, um indivíduo que se via seguro para deambular em sua casa e fora dela, se vê frágil e com possibilidades de um novo evento acontecer.

Algumas atitudes podem ser decisivas para a prevenção de quedas e suas desagradáveis consequências. Vamos á algumas dicas:

– Verificar se realmente a necessidade de tapetes pela casa, móveis como mesas de centro que podem ficar bem no meio do caminho;

– Uso de pisos ou tapetes antiderrapantes no banheiro, uma vez que o piso molhado durante o banho trona-se um grande vilão;

– Luzes de emergência e de sinalização, pois ambientes com pouca luminosidade principalmente durante a noite é realmente um perigo.

– Uso de medicamentos que podem interferir no equilíbrio. Converse com o médico, pois alguns deles não podem ser deixados de tomar, mas se houver o risco deve-se redobrar a atenção,

– Queixas de tonturas, fraqueza nas pernas e falta de sensibilidade na planta dos pés certamente poderão ser causas de quedas em qualquer que seja o ambiente, portanto procurar o médico e qualquer que seja outro profissional da área é muito importante.

– Usar sapatos adequados e de preferência que segurem todo o pé. Chinelos de dedo e tamancos por exemplo são perigosos; deem preferências para sapatos com o solado emborrachado e que seja antiaderente.

– Nunca em hipótese alguma subir em banquinhos e escadinhas para pegar coisas que estão no alto! O que for usado no dia a dia deve estar a mão e mais fácil para ser pego;

– Praticar exercícios regularmente e até mesmo um treino focado para reabilitação ou manutenção do equilíbrio é uma ótima maneira de se prevenir uma queda. Procurar um profissional qualificado para tal também faz toda a diferença, uma vez que poderemos identificar onde está o maior déficit e em alguns caso indicar uso de bengalas ou andadores.

Cair não é normal em nenhuma idade e muito menos para quem é mais maduro. Cair de maduro é só para frutas.

 

Referência Bibliográfica:

GOMES ARL; CAMPOS MS; MENDES MRP; MOUSSA L. A influência da fisioterapia, com exercícios de equilíbrio, na prevenção de quedas em idosos.Revista FisiSenectus. Ano 4, n. 1 – Jan/Jun. 2016.

SANTOS JS; VALENTE JM; CARVALHO MA; GALVÃO KM; KASSE CA.Identificação dos fatores de riscos de quedas em idosos e sua prevenção. Revista Equilíbrio Corporal e Saúde, 2013; 5(2):53-59

LIAN GONG E A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA ÀS PESSOAS IDOSAS

 Edmar Torres

Cada vez mais se fala em saúde e atividade física, e a prática de exercícios físicos está presente no público idoso. Isso por que diversas pesquisas têm apontado para os benefícios da prática regular de exercícios para a nossa saúde e como conseqüência, uma maior qualidade de vida para esse grupo.

Atividade de Lian Gong

Com o passar dos anos algumas mudanças acontecem em nosso corpo, como uma maior quantidade de gordura que pode ocasionar doenças como hipertensão, uma baixa da quantidade de massa e força muscular que muitas vezes ocasiona quedas, tendões e ligamentos desgastam-se causando inflamações e dores, além de uma queda de mais ou menos 30% na capacidade respiratória, dentre outros.

Prática do Lian Gong

A prática do Lian Gong, em especial na velhice, fortalece o corpo físico, músculos, tendões e ossos com o intuito de torná-lo saudável. Essa ginástica é considerada saudável por proporcionar vários benefícios a quem a pratica, principalmente tratar e prevenir síndromes doloridas no pescoço, ombros, costas, região lombar e glúteos, melhora a resistência física e imunológica, alonga os músculos, melhora a mobilidade da coluna e corrige os desvios. Os efeitos se estendem à saúde em geral, tratando e prevenindo, por exemplo, hipertensão, diabetes, osteoporose, estresse, fadiga, insônia, depressão e ansiedade.

 

FONOAUDIOLOGIA E AS DEMÊNCIAS

Caroline Marrafon- Fonoaudióloga

Demência   é   uma    doença   que   acomete   o   cérebro   e   evolui gradualmente ao longo dos anos, causando diminuição do raciocínio e memória, a tal ponto de interferir nas atividades de vida diária (ex. cuidar da casa / trabalho/ finanças, higiene pessoal, etc).

Outros sintomas comuns são problemas  de  linguagem, que resultam nas seguintes características no discurso, presentes em conjunto ou de forma isolada: falta de coerência (não   harmonia   entre  dois     fatos     ou    duas   ideias),  não contextualização, não respeito a troca de turnos dos interlocutores (um fala e outro aguarda) e  repetição do que já foi dito, etc.  Além   disso, há    alteração    progressiva    da   compreensão verbal (entender  o que    as    pessoas   estão    falando),    organização temporoespacial (não saber dia, mês, ano, horas e até mesmo onde está) e no processo da alimentação.

Em  estágios  mais  avançados  nota-se  dificuldade  coma deglutição de saliva.

Avaliação da fonoaudióloga

Destacando   os     aspectos    da   alimentação   nessa   população, a literatura descreve que 45%  dos pacientes   apresentam algum grau de dificuldade  para  engolir. Na    prática   clínica   fonoaudiológica, observa-se: progressiva dependência de cuidadores e familiares para a   oferta    dos    alimentos,   assim   como,   demora   no   preparo  e mastigação da dieta, que muitas vezes não se finaliza com deglutição (“segura ao alimento na boca”), dentre outros. Diante do exposto, o paciente  pode   apresentar   tosses,  engasgos,   pigarros  durante as refeições. Em  estágios  mais  avançados  nota-se  dificuldade  coma deglutição da saliva.

Ao observar esses sintomas, o médico deverá ser informado a fim de evitar desnutrição, desidratação e pneumonia.

O   Fonoaudiólogo   é   o   profissional   habilitado   para   avaliar   a deglutição; definir  o  diagnóstico  fonoaudiológico  da fisiopatologia da deglutição; solicitar avaliações e exames complementares quando necessário;  estabelecer   o   plano   terapêutico para tratamento das desordens   da   deglutição   e orientar e prescrever as consistências e volumes de dieta por via oral que sejam seguras aos pacientes com dificuldades.

Referências Bibliográficas

  1. Demência Disponível em:<https://pt.wikipedia.org/wiki/Dem%C3%AAncia>. Acesso em: 07 fev. 2018.
  2. Seçis Y; Arici S; Incesu TK; Gürgör N; Beckmann Y. Dysphagia in Alzheimer’s disease. NeurophysiolClin2016; 46(3): 171-8.
  3. Ucedo DM; Santos KP; Santana APO. A linguagem na Demência Frontotemporal: uma análise à luz da Neurolinguística Enunciativo-Discursiva. CoDAS 2017; 29(4): e20160154.
  4. Conselho Federal de Fonoaudiologia. RESOLUÇÃO CFFa nº 492de 7 de abril de 2016. Disponível em:<http://www.fonoaudiologia.org.br/cffa/wp-content/uploads/2013/07/res-492-2016.pdf>. Acesso em: 07 fev. 2018.