Games: devo jogar?

Ana Nakamura

[email protected]

Certamente jogar por dever não é boa ideia, “dá jogo ruim” aliás. Por definição, um jogo deve acontecer por livre vontade do possível jogador, ou no caso, do idoso convidado. Os games de fato contribuem para melhorar nossa memória, desenvolver nossas capacidades de resolver problemas, nos colocar em uma outra realidade (ainda que temporária) – nos transportando para longe de preocupações e pequenos incômodos físicos ou emocionais, permitem ainda melhorar a coordenação motora e outras habilidades cognitivas e sociais. Mas nem sempre há jogo, e não há problemas nesta situação, quando o convidado quer apenas descansar, acompanhar os demais ou fazer algo que por vezes também queremos: “fazer nada”, em dado momento.

Respeita-se e então quando há a oportunidade, conta-se a razão da atividade de jogar ou faz-se novamente um convite para um jogo que nem parece ter alguma função, com um objetivo que aparenta ser apenas lúdico. Há uma variedade destes jogos disponíveis que são utilizados no centro-dia para idosos, e 3 aplicativos são sugeridos desta vez, preferencialmente para uso em tablets para melhor aproveitamento da acessibilidade deste tipo de dispositivo:

  • MahJong Epic – é o game preferido e mais solicitado pelos idosos no centro-dia. Mesmo os idosos com a memória mais comprometida, ao iniciar o tabuleiro, logo lembram-se como devem jogar. Entre as habilidades trabalhadas neste jogo estão as habilidades visuoespaciais ¹ como a busca visual planejada, que acontece quando se faz um rastreio em uma área definida e uma avaliação de figuras com rapidez e eficiência, trabalha-se também a memória visual de curto prazo, utilizada para o reconhecimento das imagens observadas em momento anterior. No mesmo jogo, a lógica também é utilizada na comparação das peças rastreadas, sendo possível explorar mais aspectos da memória e linguagem se for proposto que o jogador diga o nome das imagens, ou caso não saiba, pode dizer a cor ou forma.

Jogo Mahjong Epic                                                             Fonte: Google Play  Store

  • Jigty – um aplicativo de quebra-cabeças de imagens. Há uma série de imagens disponíveis com configurações do número de peças e rotação, porém a opção mais interessante é utilizar as fotos de sua galeria pessoal. Além da habilidade visuoconstrutiva (capacidade de construir uma imagem com ou sem um modelo), é possível tentar nomear as pessoas da foto, de reconhecer-se nas fotos, e ainda situar o jogador no tempo ou evento em que a foto foi registrada, incentivando assim a memória do jogador. Observar a organização do jogador enquanto monta a imagem é importante, para verificar sua lógica e caso ela inexista, pensar quais seriam então as alternativas para que o jogador volte a se organizar neste tipo de raciocínio.

Tela do Jogo Jigty           Fonte: Google Play Store

  • Classic Labyrinth 3D Maze – Um jogo de labirintos com níveis graduais de dificuldade, para conduzir uma bolinha a partir do movimento do próprio tablet, inclinando-o. A informação que captamos com nossos olhos é a base para então fazermos o movimento das mãos necessário para atingir os objetivos deste jogo, trata-se de uma habilidade cognitiva complexa, já que precisamos das nossas capacidades visuais e motoras. São as mesmas habilidades que precisamos para uma tarefa comum, como inserir uma chave na fechadura, um cartão em um leitor, na prática de esportes ² etc.

Tela do Jogo Classic Labyrinth 3D Maze     Fonte: Google Play Store

A explicação da função do jogo é um incentivo para a sua prática. Muitos idosos, a partir deste conhecimento passam a jogar imediatamente, desafiando-se, e persistindo a cada partida, e descobrem que, independente de pontuações, na verdade estão sempre ganhando mais habilidades. Alguns idosos demoram mais tempo a jogar, e há os que não vão jogar também por tempo indeterminado, pois preferem outro tipo de atividade – o que é absolutamente natural – há também a crença de que não podem parar para “brincar”, especialmente na idade que se encontram.

Entretanto, convidar um idoso para um jogo é sempre uma oportunidade de conversar, escutar, trocar conhecimentos, e reviver. Fica a sugestão para que o leitor convide um idoso, familiar ou não, para jogar, além de divertir-se, pode ser um bom momento para ambos, que vão ganhar pontos de bônus nas habilidades sociais, emocionais e cognitivas.

[1]Domínios Cognitivos – Habilidades visuoespaciais: conceitos e instrumentos de avaliação

http://www.sbnpbrasil.com.br/boletins_39_145_2015_0

[2]Coordenação olho mão –  https://www.cognifit.com/br/habilidade-cognitiva/coordenacao-olho-mao

Links dos jogos sugeridos

Mahjong Epic

https://play.google.com/store/apps/details?id=com.kristanix.android.mahjongsolitaireepic

 Jigty

https://play.google.com/store/apps/details?id=com.outfit7.jigtyfree

 Classic Labyrinth 3D Maze https://play.google.com/store/apps/details?id=de.pictofun.labyrinthone

 

O dia em que se falou sobre morte no Centro Dia para Idosos Angels4U

Ana Maria Yamaguchi Ferreira

Psicóloga

 

Grupo de psicologia

No dia 03 de novembro de 2017, um dia depois do feriado de Finados celebrado no Brasil, ocasião que, segundo Jabocci (2017) se celebra e homenageia a memória dos mortos em diferentes países, optou-se por abordar o delicado tema da morte e do morrer no grupo de discussão da Psicologia do Centro-dia Angels4U. Seria oportuno tratar desse tema num momento tão “à flor da pele” de idosas e idosos que haviam revivido a perda de pessoas queridas no dia anterior? Essa pergunta estava no horizonte do como abordar de maneira delicada tema de cunho delicado. Preparou-se o grupo, como ocorre antes de toda atividade de discussão da Psicologia, por meio técnicas de relaxamento e introspecção, utilizando-se de música apropriada para a ocasião. Finalizado este primeiro momento do grupo, foram abordadas, dentre outras, as seguintes perguntas:

  1. Como vocês passaram o Dia dos Mortos? Como suas famílias costumam passar este dia?
  2. Como vocês lidam com a perda das pessoas queridas que se foram?
  3. Vocês pensam sobre a própria morte? Como seria?
  4. Como gostariam de ser lembrados quando se forem?

Em relação à primeira pergunta, o grupo teve a feliz participação humorada de um idoso muito longevo que entrou no tema, quebrando o gelo, dizendo que foi ao cemitério visitar os mortos, porém não encontrou ninguém. Tal resposta provocou o riso do grupo como um todo, possibilitando um ar bem-humorado e leve ao longo das perguntas que se seguiram. Existiram diferentes maneiras de se celebrar este dia no grupo: grande parte do grupo é composto pela etnia japonesa, muitos idosos e idosas eram católicos e outros, de religião budista. Por isso, tanto as manifestação brasileiras quanto as japonesas foram de celebrar a memória dos ancestrais foram perceptíveis, como por exemplo, a ida ao cemitério – comum no jeito brasileiro de celebrar tal data -, ou a oração feita no Butsudan, pequeno altar ou santuário doméstico de tradição budista.

Quanto à segunda pergunta, muitos haviam visitado o túmulo de parentes de graus mais distantes, ou mesmo de filhos falecidos. A pergunta que permeia o falar sobre a morte na chamada Terceira Idade pode ser a de como tocar no tema da finitude quando ele pode ser vivido ocultamente, sem ser expresso ou trabalhado por meio do falar, de reflexões e lembranças diárias sobre as perdas já vividas ao longo de uma vida longeva, que mais cedo ou mais tarde, se findará.

Então, veio a terceira pergunta ao grupo: como se imaginava a própria morte. Houve respostas das mais densas, ricas e variadas. Uma idosa, mais uma vez, provocou o riso dos frequentadores do Centro-dia, quando disse que não sabia, pois nunca havia conhecido alguém que voltou do lado de lá. Foram mencionadas também a ideia do Paraíso e Inferno, de cunho católico; bem como o lugar da morte como local para descanso da existência muitas vezes penosa; um local para se pensar se era necessário tirar os sapatos, costume japonês de adentrar o lar sem trazer sujeira do exterior, e um lugar de reencontro com as pessoas queridas que se foram antes.

A última pergunta feita ao grupo, suscitou o desejo e respostas de esperança quanto ao legado deixado quando partirem, como serem bem lembrados pelo sentimento de terem semeado coisas boas na vida.

Segundo Ferreira e Wanderley (2012), falar sobre a morte, tratada comumente pelos campos da Tanatologia e os Cuidados Paliativos, é tratar sobre um assunto que diz respeito à condição humana, pois esta diz respeito a todo e qualquer ser humano.

Quando se há marcas da morte, ao longo do tempo, nas falhas e fragilidade do corpo idoso, trazidas pela impermanência da vida, o tema sobre a própria morte pode ser vivido diariamente. É possível tornar tais pensamentos sobre a morte e o morrer menos angustiantes e tabus, ao se colocar por meio da expressão e elaboração verbal, aquilo que tanto toca o idoso e suas famílias, podendo haver inclusive o riso libertador entre uma pergunta e outra.

REFERÊNCIAS:

Ferreira, A.M.Y. & Wanderley, K.da S. (2012, agosto). Sobre a morte e o morrer: um espaço de reflexão. Revista Temática Kairós Gerontologia,15(n.º especial 12), “Finitude/Morte & Velhice”, pp. 295-307. Online ISSN 2176- 901X. Print ISSN 1516-2567. São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP.

Jacobucci, N. Dia dos Mortos: celebrando as memórias. Disponível em 25/12/2017:<http://www.portaldoenvelhecimento.com.br/dia-dos-mortos-celebrando-as-memorias/>.

Santuários Japoneses – Butsudan e Kamidana. Disponível em 25/12/2017:<http://www.japaoemfoco.com/santuarios-japoneses-butsudan-e-kamidana/>

Dança Sênior, qualidade de vida e equilíbrio

Rosangela Satas

Nos dias de hoje fala-se muito na qualidade de vida na velhice e atividades que trazem equilíbrio não só físico, mas também emocional, nesse sentido, buscamos cada dia mais como envelhecer com saúde, alegria, equilíbrio e tranqüilidade e principalmente como manter a nossa saudável a nossa mente.

 

A Dança Sênior leva aos idosos condições para que se tenha a mente saudável e equilibrada, por meio dos movimentos das danças em pé e sentadas, além das músicas que também é um fator importante para manter o ânimo. O ritmo das músicas é alegre em sua maioria, há aquelas em que possuem um ritmo mais lento em que se trabalha a coordenação e atenção, para dançar em roda, dupla ou sentada, proporcionando uma maior interação grupal. Em relação aos seus movimentos, a Dança Sênior trabalha também o equilíbrio, estimulando a lateralidade e atenção, quando a música solicita a troca de parceiro e de lugares na roda.

Cabe salientar que os benefícios da Dança Sênior são inúmeros, podemos citar: vitalidade, alegria, auto-estima elevada, segurança, autonomia e a redução de sentimentos como a tristeza e a solidão.

Nesse sentido, é importante a divulgação da Dança Sênior aos idosos, pois aqueles que são participantes assíduos em grupos verbalizaram que “a dança acrescentou vida aos seus dias“, então, venha participar você também, e traga o seu idoso!

Artesanato com idosos e a reutilização de latas

Simone Bérgamo

Professora de Artesanato

Reutilizar e Reciclar Latas de Alumínio = Reduzir, Reutilizar e Reciclar

Sabemos que hoje, as latas de alumínio são um problema assim como todo o lixo que jogamos fora, mas, que tal agora pensar um pouco em como podemos criar objetos utilitários para casa, escritório ou até mesmo dar de presente como uma lembrancinha?

Podemos reaproveitar as latinhas para criar coisas uteis tais como: porta lápis, porta trecos, recipiente para bolachas, recipiente para pó de café e etc.

Exemplos de latinhas que podem ser recicladas: Latas de leite, Achocolatado, Extrato de tomate, Latas de milho, Latas de ervilhas, Molho de tomate entre várias outras latinhas.

Como pintar latas de alumínio

  • Lavar e secar muito bem a lata, inclusive retirando qualquer resíduo de cola ou papel.
  • Passar duas demãos de Primer para metais, PET e vidro. Este produto é necessário para que a tinta possa aderir ao material.

  • Pintar a lata com tinta PVA ou tinta acrílica. No exemplo a seguir foi feito um desenho em forma de mosaico.

  • Após secagem finalizar com verniz brilhante ou fosco.

A seguir outras ideias

Exercícios resistidos na terceira idade pode? Não só pode como deve!

Mayara Rodrigues C. Fabris

Fisioterapeuta

Atualmente é muito comum vermos nos jornais e televisões o tema Vida saudável. Além de um alimentação adequada, um fator bem importante para a saúde é a prática de exercícios físicos regulares. Alguns autores definem atividade física como: qualquer contração muscular que gere um gasto de energia maior do que quando estamos em repouso.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) indivíduos maiores de 64 anos devem praticar 150 minutos de atividades físicas moderadas por semana, ou seja, 30 minutos 5 vezes por semana ou ainda 50 minutos 3 vezes por semana. A inclusão de exercícios resistidos, que são aqueles realizados com pesos (como por exemplo a musculação), garantem uma melhora na saúde global (física, mental, emocional e social) e ainda a manutenção por mais tempo da funcionalidade, pois objetivam o ganho de força dos seus praticantes. Em estudos realizados com pessoas de 60, 70 e 80 anos mostraram melhoras físicas muito significativas após um programa de exercícios resistidos, ficando claro que não importa a idade pode-se ganhar massa muscular.

 

Atividade com a fisioterapeuta

O aumento da massa muscular através de um treino de força resulta em uma diminuição da gordura no organismo, auxiliando assim na perda de peso. Além disso, muito outros benefícios podem ser observados em indivíduos que realizam exercícios resistidos tais como: a manutenção de força; trabalho adequado do metabolismo do corpo; aumento do tecido ósseo (prevenção da Osteoporose); prevenção e auxilio no tratamento de doenças como Diabetes Melitus tipo II, Colesterol alto e Hipertensão; e ainda na prevenção de dores articulares e até mesmo nas melhoras das mesmas.

Para tanto antes de começar um programa de exercícios resistidos é necessário falar com o seu médico de confiança e ainda contar com supervisão de profissionais qualificados para indicar o melhor tipo de exercícios, a quantidade de peso e número de repetições adequadas para cada indivíduo, evitando assim complicações consequentes dos exercícios.

 

Referências Bibliográficas

Mastrandea L; Sobrinho Santarém JM; Exercícios Terapêuticos: Fortalecimento Muscular no Tratamento de Idosos. In: Perracini MR; Fló CM. Funcionalidade e Envelhecimento. 1ed, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

 

Westcott W; Baechle T. Treinamento de Força para a Terceira Idade.1ed, Barueri: Manole, 2001.

Disponível em: <http://www.who.int/dietphysicalactivity/factsheet_olderadults/en/>. Acesso em: Set. 2017.